Curta o Curta!

O público frequentador de cinema em nosso país – salvo os “cinéfilos”, habituados a correrem do circuito comercial e a lançarem seu olhar diferenciado, quase religioso, à chamada Sétima Arte – parece ainda ignorar a existência dos curtas-metragens como categoria cinematográfica. É como se para esta parcela de espectadores as produções com no máximo 30 minutos de duração não fossem capazes de abarcar toda a “magia” evocada nos longas-metragens.

Esse olhar limitado (por uma série de questões que não cabe neste post abraçar) sobre as possibilidades do cinema tem nova oportunidade de ser rompida. É que começa hoje (dia 24) a 23ª edição do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo. Trocando em miúdos – e perdoem pelo trocadilho – é praticamente uma Mostra Internacional de Cinema, dedicada as produções de menor tempo, mas não de menor qualidade.

Nesta edição do Festival – em exibição em seis endereços da cidade e com sessões gratuitas! – o Kinoforum, responsável pelo evento, preparou um cardápio com mais de 350 filmes do mundo todo,  entre trabalhos ficcionais, documentários e animações. O evento vai até 31/8.

Organizado em mostras paralelas e/ou “programas”, como a Mostra Internacional, Mostra Latino-Americana e Mostra Brasil, entre várias outras, essa edição do Festival inaugura algumas novidades interessantes: a sessão “Por uns Minutos a Mais”, que exibe filmes cujo tempo ultrapassa o padrão “curta.metragem” e também uma Cine-Bicicletada, (amanhã, 25/8, com saída agendada às 20hs da Praça do Ciclista na av.Paulista, alt. do nº 2.163), que levará ciclistas-cinéfilos para ver alguns dos destaques da mostra no MIS, seguido de uma festa na Cinemateca Brasileira, são apenas algumas dessas novas atrações.

Haverá ainda projeções especiais, como a Retour de Flamme, sob curadoria do cineasta francês Serge Bromberg, composta por obras raras de seu acervo. Na sessão, dia 28/8, na Cinemateca, o próprio Bromberg executará trilha sonora ao vivo!

Este Le Champo se esmerou em fazer uma seleçãozinha básica do que promete ser imperdível no Festival. Voici des conseils, cinephiles!

Integrante do programa Mostra Internacional 6, a obra “O Silêncio”, de L. Rezan Yesilbas, premiado no Festival de Cannes desse ano, conta a história da mulher prestes a visitar o marido detido numa prisão turca onde o curdo é idioma proibido.

Já a Mostra Internacional 9 exibirá, entre outros, “Regra de Três”, filme dirigido pelo francês Louis Garrel (que também dirigiu o excelente média “Aprendiz de Alfaiate”, exibido na 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo). Atuando no próprio filme, Garrel conta a história de três jovens que, ao dividirem uma tarde primaveril de Paris, deparam-se com sonhos e decepções ao questionarem: “do que adianta, se eu sou sozinho?”. Premiado em diversos festivais, como “Melhor Curta” do Festival du Film de Cabourg, e na 26ª ediçao do Prix Jean Vigo, além de sucesso em toda Europa, a obra é realmente imperdível, tanto em seus componentes estéticos (e não me refiro à já famosa beleza de seu realizador!) como pelo roteiro bem engendrado. Para cinéfilos.

Veja aqui o trailer de “A Regra de Três”, de Louis Garrel

Cena de “A Regra de Três, com o ator e cineasta Louis Garrel

A Mostra Infantil 1 exibirá “Goo-Goo Babies”,  animação de Alexey Alekseev, e mostra o que os bebês aprontam numa maternidade longe dos olhos dos pais. Fofo, no mínimo!

Cena do filme húngaro Goo-Goo Babies, de Alexey Alekseev.

Imperdível também é a Semana da Crítica, uma homenagem ao evento homônimo paralelo ao Festival de Cannes e que exibirá, entre outros, o nacional “O Duplo”, de Juliana Rojas, e conta o excêntrico dia de trabalho de uma professora, que é interrompido quando seus alunos vêem a versão má dela na janela. Vale lembrar que o filme recebeu Menção Honrosa em Cannes, este ano. Da mesma diretora, “Trabalhar Cansa” tem exibição programada na Sala Petrobras da Cinemateca, no domingo (26), às 18h.

A atriz Sabrina Greve é a professora em “O Duplo”, de Juliana Rojas

Falando em Cinema Nacional, muitos são os destaques da Mostra Brasil. Entre eles está (na mostra Brasil 3) “Vestido de Laerte”, dirigido pelos cineastas Claudia Priscilla e Pedro Marques e mostra o cartunista percorrendo as ruas paulistanas em busca de um certificado; Já Guto Parente leva para o Festival seu “Dizem que os Cães Vêem Coisas”. Nome consagrado no cinema nacional e integrante do “coletivo” Irmãos Pretti & Primos Parente (dos longas “Viagem para Ythaca” e “Os Monstros”), neste, vemos um presságio acerca de um gordo que se atira na piscina com um copo de uísque na mão.

O cartunista e crossdresser Laerte Coutinho em cena de curta

 Veja aqui o trailer de “Dizem que os Cães Veem as Coisas”, de Guto Parente, disponibilizado pelo site Dzaí

Para finalizar com chave de ouro, o Programa Cachaça Cinema Clube exibirá o fino do cinema produzido e/ou dirigido só por mulheres, cuja proposta é debater “as delícias e agruras” de “carregar o cromossomo x”, como define a organização do Festival. Três obras para anotar no caderninho: o diálogo entre Maria Gladys e Norma Bengell frente às câmeras, ao som de “Índia”, de Gal Costa é o cerne de “Maria Gladys: uma atriz brasileira”, de Norma Bengell

Maria Gladys e Norma Bengell, em registro cinematográfico da segunda, de 1979

… um dos primeiros trabalhos da representante feminina do Cinema Novo, Helena Solberg e seu “Meio-Dia”, de 1969 e a obra prima da cineasta francesa Agnès Varda, discutindo já em 1975, “como as mulheres respondem aos papéis a elas reservados”. Lição de casa para amantes de cinema e para qualquer um que busca raízes para compreensão do que foi o feminismo nos anos 1970 e no que ele veio a se transformar, para além das fronteiras da Europa.

Mulheres de todos os tipo, idades e papéis sociais depõem para a “câmera desnuda de Varda”

Quem se empolgou pela aventura em 30 minutos (ou um pouco mais!), aí vai o serviço:

23º Festival Internacional de Curtas.Metragens de São Paulo

Quando: de 24 a 31 de agosto de 2012

Onde: Cinemateca Brasileira, Cine Olido, CineSESC, Cinusp, Espaço Unibanco Augusta e MIS

Quanto, produção??? De graça!!!

Para saber os filmes em exibição, programação, horários e endereços das salas, acesse o site do Kinoforum

Para saber das andanças desta crítica de cinema pelo Festival, acompanhe o Le Champotambém no Facebook e no Twitter

À Bientôt!

Anúncios

Uma Mostra de Encher os Olhos e Emocionar o Coração

Não, não estava nos planos, mas esta Mostra com certeza ficará na memória dos cinéfilos e frequentadores do evento que, neste ano, chega à sua 35a. edição.  Isso porque, no dia 14 último, faleceu em São Paulo, Leon Cakoff, fundador e frontman da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, vítima de câncer no cérebro. Em sua homenagem, foi espalhado o pôster com a imagem do “pai da mostra” pelos stands da Central da Mostra, localizada no Conjunto Nacional (Avenida Paulista, 2.073).

Provavelmente haverá, juntamente à famosa vinhetinha animada que abre cada uma das sessões, uma vídeo-homenagem a Cakoff, ou algum outro tipo de homenagem. Razoável para alguém que dedicou mais da metade da vida à chamada Sétima Arte.

Leon Cakoff, o “pai da Mostra”

Falando em vinheta,  a deste ano, juntamente com o cartaz do evento, foi desenhada por ninguém menos que o mestre dos quadrinhos brasileiros, Maurício de Souza, que cedeu sua personagem Piteco, o lendário homem-das-cavernas, como forma de ilustrar o poder do cinema em dar vida as imagens, arte essa contemplada desde o tempo em que a raça humana vivia em cavernas e brincava com as bruxuleantes sombras das fogueiras. Mais simbólico, impossível!

Piteco, desde os primórdios, fazendo arte!

A exemplo do que acontece todo ano, a Mostra Internacional de Cinema tem como principal objetivo servir de vitrine a respeito daquilo que foi produzido e/ou premiado mundo afora, além de ser uma excelente oportunidade para cineastas iniciantes. Filmes consagrados com a Palma de Ouro (Cannes), Leão de Ouro (Veneza), Urso de Ouro (Berlim) são exibidos lado-a-lado de filmes independentes, muitas vezes concluídos às vésperas do festival e de modo completamente amador.

Entre os mais de 250 filmes que serão exibidos este ano (uma seleção enxuta, é verdade, se compararmos aos mais de 400 dos anos anteriores), alguns soam como imperdíveis, seja pelo mérito da premiação ou pelo burburinho que a polêmica lhe concedeu. Independente do caso, este Le Champo jamais deixaria de destacar, neste curto espaço,  o novo filme de Aleksandr Sokurov, Fausto, premiado com o Leão de Ouro em Veneza e que nesta Mostra será exibido somente na REPESCAGEM (de 4 a 6 de novembro – já estão avisando!!!). Mas, quem é fã mesmo do cineasta, pode ir degustando antes o documentário de Anne Imbert, Aleksandr Sokurov, Questão de Cinema. Outro filme que promete não decepcionar os cinéfilos de carteirinha é O Garoto da Bicicleta, dos geniais irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne. Muito elogiado em todos os festivais por onde passou, os Dardenne parecem seguir a trilha de sucesso deixada pelas obras anteriores, como A Criança e O Silêncio de Lorna.

Os irmãos Dardenne (re)voltam sua objetiva para o universo criança x adulto

Mathieu Amalric, depois de causar furor com o fabuloso Tournée, traz para a Paris do presente o texto teatral de Pierre Corneille, A Ilusão Cômica, sobre a busca do pai pelo filho que não vê há dez anos e sua relação com um bruxo que possui a capacidade de lhe mostrar a vida do filho durante o tempo em que esteve ausente. Dois filmes andaram “causando”, no bom e no mau sentido, sempre. Um deles é o documentário Os Hipopótamos de Pablo Escobar, acerca do mitológico traficante e seu plano de formar um zoológico particular, ao levar para a Colômbia três hipopótamos e outros animais selvagens. As consequências de sua megalomania, principalmente após sua morte, foi o desequilíbrio ambiental da região e a matança indistinta de animais silvestres. O outro chama-se O Futuro, de Miranda July. Aclamada pelo público e odiada pela crítica, sobretudo a masculina, essa será a oportunidade de ver como o público paulistano reagirá diante da extravagante criatividade da moça.

O Futuro, de Miranda July, é contado sob a ótica de um gato manco e uma camiseta ambulante!

Outros destaques são Oslo, 31 de Agosto, de Joachim Trier, Os Animais me Distraem, de Isabella Rossellini (quem conhece a série Green Porno sabe que talvez seja divertido arriscar neste!), Pater, de Alain Cavalier, Viagem à Lua, Georges Mèliés – colorizado manualmente!!!,  Era Uma Vez Na Anatólia, de Nuri Bilge Ceylan, etc..

A Escandinávia e sua tradição em contar histórias sobre recomeços!!!

Outro ponto emocional da Mostra ficará por conta da exibição de clássicos do cinema, como Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick, (1971),  A Doce Vida de Federico Fellini (1960), Taxi Driver, de Martin Scorcese (1976), além dos nacionais Matar ou Correr, de Carlos Manga (1954), produção da imperiosa Atlântida e da emblemática Xica da Silva, de Cacá Diegues (1976), para citar apenas algumas obras.

Zezé Motta, “de escrava a rainha”, em Xica da Silva.

Quem é habitué da Mostra, sabe que dentro do evento principal há uma série de mostras paralelas. Entre estas, destaque para a que homenageia o russo Sergei Paradjanov (Paradjanov, O Magnífico), sediada no MIS e composta por mais de 60 colagens e desenhos do cineasta. Além disso, serão exibidos 9 de seus filmes. Vale muito a pena ver  Sombras dos Ancestrais Esquecidos, A Cor da Romã e O Trovador de Kerib, uma homenagem ao amigo, Andrei Tarkovski. Cinema russo na veia.

Pôster de “O Trovador de Kerib”

Já o Cinema Nacional não deixa por menos e traz uma lista repleta de nomes valorosos e títulos interessantes. A começar pelo recente filme de Eduardo Coutinho, As Canções, que promete ser sucesso de public e crítica, assim como o aclamado Jogo de Cena. Malditos Cartunistas é um documentário que reune a nata do quadrinho de humor brasileiro, de Ziraldo, Laerte e Angeli até Adão e Fernando Gonsales. No mínimo, hilário! A faceta mais “política/politizada” do programa fica a cargo de Isa Grispum Ferraz, de Marighella, onde tenta reconstruir (ou desconstruir?) o mito em torno do líder comunista e um dos fundadores do PCB. Ana Rieper pega mais leve nas reconstruções de vida, vai atrás das histórias de gente mais simples, contos do cotidiano, tendo como pista o verdadeiro cancioneiro popular, a dita música brega, que domina as rádios do Centro-Oeste, Norte e Nordeste do Brasil, no elogiado Vou Rifar Meu Coração, exibido em festivais nacionais. Agora é a vez de São Paulo saber quem toca fundo o coração do povo do Norte do país!

Pra quem ainda não se preparou para a 35a. Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, ainda há credenciais (passaportes) equivalentes a  40 ingressos, e também credenciais permanentes, que concede entrada a todas as sessões do evento, ao preço de R$ 390,00.  Assinantes da Folha de São Paulo tem 15% de desconto (veja mais em http://www.clubefolha.com.br)

Você pode ainda comprar ingressos avulsos, de um e até quatro dias de antecedência pelo site www.ingresso.com.br ou no dia da sessão, somente na bilheteria do cinema da sessão pretendida.

Agora é preparar o coração e sebo nas canelas, pois a maratona começa hoje e vai até dia 6 de novembro.

E quem é esperto e quer ficar ainda mais por dentro da Mostra Internacional de Cinema acompanha diariamente as resenhas dos filmes aqui, no Blog Le Champo, e em tempo real, as notícias, fofocas, mudanças de programação, entrevistas e qualquer auê pelo Twitter: @lechampo e também no Facebook/lechampo.

À Bientôt, tout le monde!!!

34ª Mostra Internacional de Cinema de SP!

Começa hoje a 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o mais tradicional evento de cinefilia do país. Até o dia 4 de novembro serão exibidos mais de 400 filmes entre nacionais e estrangeiros dos mais diferentes países.

 

É, para muitos, a oportunidade única para ver raros e bons filmes asiáticos, europeus, latinos, ou ainda rever obras de autores consagrados através das “retrospectivas”,  alem de claro, ver antes de todo mundo os filmes premiados nos grandes festivais de cinema como Cannes, Veneza, Berlim. Este ano teremos muita coisa interessante por aqui.

A abertura oficial do evento aconteceu na noite de ontem, dia 21, no Auditório Ibirapuera, em sessão especial para convidados do filme “O Estranho Caso de Angélica”, de Manoel de Oliveira. O cineasta português, 101, o mais velho em atividade, não pode comparecer à festa da Mostra, pois recupera-se de uma cirurgia feita para a troca do marca-passo, no entanto passa bem e prometeu vir ao Brasil assim que possível. Em seu lugar, compareceram os atores Ricardo Trêpa e Ana Maria Magalhães.

Quem também esteve presente na festa foi o cineasta Wim Wenders. É ele quem assina um dos cartazes desta edição da Mostra. Alem disso, os filmes de Wenders serão exibidos em uma das retrospectivas (com destaque para “Até o Fim do Mundo”, em nova versão, com 5 horas de duração, uma vez que continuou sendo editada pelo diretor mesmo após seu lançamento, em 1991).

Quem não estiver muito convencido com o cartaz do Wenders, algo meio “Paris, Texas”, pode optar por um segundo cartaz. Este outro traz uma ilustração do mestre do cinema japonês, Akira Kurosawa (1910-1998).

Um momento que promete ser histórico nesta Mostra será a sessão dedicada a versão restaurada do clássico “Metropolis”, de Fritz Lang, no dia 24/10, às 20hs. Exibido ao ar livre, na parte externa do Auditório Ibirapuera, o filme contará com acompanhamento da Orquestra Jazz Sinfônica, que executará a trilha original de Gottfried Huppertz.

Assim como no ano passado, este ano também será possível assistir on line a alguns filmes da mostra, gratuitamente. A seleção é composta por 68 títulos, no entanto, há um número restrito de acessos (não é necessário fazer downloads). No site da mostra há a lista dos filmes que serão exibidos e o limite de acessos.

A novidade dessa Mostra fica por conta dos bicicletários instalados em diversas salas de exibição. Para utilização de bicicletas é necessário fazer um cadastro, com apresentação de um documento com foto, comprovante de residência e/ou estadia (em caso de turista/estrangeiro), alem da apresentação de um cartão de crédito com saldo mínimo de R$ 350. Aos que possuem credencial da Mostra, basta apenas apresentar documento com foto.

A primeira hora de empréstimo é gratuita e as demais custam R$ 10/hora. A ideia é boa, vamos ver se pega!

O Le Champo estará na Mostra e compartilhará diariamente com o leitor parte da experiência de ver, sentir e pensar o cinema contemporâneo. Aqui no blog, resenhas, notícias, entrevistas. No twitter (@lechampo) notas, comentários, reclamações, novidades etc.

À bientôt!

Suecos Silenciosos na Cinemateca Brasileira

Já virou tradição: em agosto é exibida a Jornada Brasileira do Cinema Silencioso, este ano em sua 4ª edição. O evento, promovido pela Cinemateca Brasileira e já considerado um dos mais importantes da cinefilia nacional inicia-se hoje e vai até o dia 15, tendo como principal característica a exibição de filmes silenciosos (ou, como tornou-se popularmente conhecidos, “mudos”). São, de modo geral, as produções realizadas até o fim da década de 1920, ou ainda, antes da utilização do som sincronizado (por volta de 1927).

Este ano, o que a Cinemateca traz de mais especial é uma mostra dedicada ao Cinema Silencioso Sueco, em parceria com o Instituto Sueco de Cinema. Nesta, nomes consagrados do cinema escandinavo, como os de Victor Sjöström e Gustav Molander figuram ao lado de outros diretores importantes no contexto nórdico, mas ainda pouco conhecidos no Brasil, como são o caso de Ernest Florman, pioneiro do cinema sueco e Mauritz Stiller. Serão exibidos, entre outros filmes, “Terge Vigen, (1917), de Sjöström, “As Garotas de Norrtull” (Norrtullsligan, 1923), de Per Lindberg e “A Herança de Ingmar” (Ingmarsarvet, 1925), de Gustav Molander. Todos esses filmes, e outros, têm sessões com acompanhamento musical programadas.

“A Herança de Ingmar”, de Molander…

“As Garotas de Norttull”, de Lindberg

Além dos suecos, serão exibidas outras raridades que valem a visita à Cinemateca, como por exemplo “Wara Wara”, ficção boliviana de 1930 e produções brasileiras, como “Companhia Paulista de Estrada de Ferro” (1930), “Companhia Mogyana (1920)”, cujo tema central é o trem.

Confira um trecho de Terge Vigen, do mestre do mestre, Victor Sjöström:

Quer saber mais? Acesse o site da Cinemateca e divirta-se!

15 anos de Dogma!

O Dogma 95, cujo manifesto foi publicado há 15 anos pelos cineastas dinamarqueses Lars von Trier e Thomas Vintenberg, é tema da mostra Dogma 95 – 15 Anos Depois, exibida pela Cinemateca Brasileira, de 27 de julho a 3 de agosto.

Apesar de pequena, a seleção de filmes (quatro ao todo e exclusivamente escandinavos) permite ao público conhecer um pouco do contexto histórico e geográfico de onde surgiu o manifesto, além de traçar um panorama sobre o desenvolvimento e a evolução do estilo, que acabou por influenciar centenas de produções em diferentes lugares do mundo.

Integram a mostra os longas: Os Idiotas (Idioterne, 1998),  obra inaugural ou Dogma #2, de Lars von Trier; Mifune (Mifues sidste sang, 1999 – Dogma #3), de Søren Kragh-Jacobsen, Corações Livres (Elsker dig for evigt, 2001 – Dogma #28), de Susanne Bier e Nas Suas Mãos (Forbrydelser, 2004 – Dogma #34), da cineasta Annette K. Olesen.

Cena de Os Idiotas, de L.v.Trier

Além da exibição dos filmes, está programada para o dia 3 de agosto, às 21h00, palestra sobre o Dogma 95 com a Profª Bodil Marie Stavning Thomsen, da Universidade de Aarhus, Dinamarca, autora de centenas de publicações sobre arte e cultura, em diversos idiomas, inclusive português e também consultora do Festival de Cinema de Aarhus.

Quer saber quais são as 10 regras essenciais (ou “voto de castidade”) do Dogma e a programação da mostra? Está tudo no site da Cinemateca.

Ditadores na tela do Cinesesc

O Cinesesc (r.augusta, 2075) inaugura, a partir do próximo domingo, dia 23/05, a Sessão Conhecer, com o propósito de apresentar ao público geral, “não-cinéfilo”,  importantes obras e autores do cinema mundial contemporâneo. E para começar, nada melhor que o cineasta Aleksandr Sokurov, um dos principais nomes do cinema independente russo da atualidade. No programa, foram selecionados três longas que compõem a tetralogia sobre os ditadores do século XX.

Neste primeiro domingo, será exibido Moloch (idem, 1999), que retrata a relação entre Adolph Hitler e sua amante Eva Braun e o encontro de ambos nos Alpes da Baviera, durante a primavera de 1942. Apesar do título (Moloch representa, em várias culturas antigas, uma divindade malévola sempre associada a sacrifícios humanos) ser uma referência direta ao ditador, o foco do filme é, sem dúvida, Eva Braun e seu papel ao lado de Hitler, como única pessoa capaz de, ao mesmo tempo, compreender e desafiá-lo, numa clara demonstração de amor e devoção.

No dia 30/05, será exibido Taurus (Telets, 2001), um retrato delicado dos últimos meses de vida de Lênin. Sua fragilidade física, em decorrência da doença degenerativa, bem como a fragilidade emocional e política, em virtude de seu afastamento compulsório dos assuntos do Partido Comunista, são evidenciados. Bela é a cena onde Lenin (impecavelmente interpretado por Leonid Mozgovoy) relembra momentos de sua vida política ao lado de sua inseparável companheira, Krupskaia, durante um bucólico passeio de domingo. A lenta degradação de Lenin é acompanhada de perto pelo espectador, que pode provar um pouco da agonia e do abandono daquele que foi um dos mais importantes líderes políticos do século passado.

Dia 06/06, é a vez do imperador japonês Hirohito ser retratado em O Sol (Sointse, 2005). O filme mostra o momento em que os americanos desembarcam no Japão, após o imperador instruir o exército japonês a retirar-se do conflito. Apesar da ordem do imperador salvar muitas vidas, os americanos decidem levar Hirohito a um tribunal de guerra. É o encontro entre o general McArthur, comandante das tropas norte-americanas no Pacífico Sul e Hirohito, o ponto central do filme. Embora derrotado, Hirohito insiste em sustentar o teatro em torno da sua imagem, que o torna inatingível.

As sessões acontecem sempre aos domingos, 11hs e são gratuitas (ingressos devem ser retirados com uma hora de antecedência).

Voilà, c’est Cannes!

Começa hoje a 63ª edição do Festival de Cannes, um dos mais importantes eventos da cinefilia mundial. E o filme que abre oficialmente o evento, às 19h15 (na  França) é Robin Hood, de Ridley Scott. O longa (já comentamos sobre ele aqui nesse Le Champo, lembra?) não participa da Competição Oficial do Festival, que premiará o melhor filme na opinião do júri com a Palma de Ouro, e tem estreia mundial marcada para a próxima sexta-feira, 14.

Crowe, Blanchet e outros, na coletiva de imprensa de Hobin Hood – Cannes

O que mais chama a atenção para esta 63ª edição é a falta de grandes nomes concorrendo à Palma de Ouro, ainda mais se compararmos com a edição anterior, que contava com nomes como Tarantino, Resnais, Almodóvar, Lars von Trier, etc. No lugar, mais produções de origem asiática e da Europa Oriental. E isso é excelente, pois chama atenção para as produções de países menos tradicionais no cinema, como Ucrânia, Tailândia e Chade (alguém aí lembra de um bom filme do Chade??)!

Os nomes mais “conhecidos” estão na mostra paralela, Um Certo Olhar (Un Certain Regard), que traz diretores como Jia Zhang-ke (de “Em Busca da Vida”, “Dong” e “Inútil”), apresentando Hai Shang Chuan Qi (I Wish I Knew), Pablo Trapero, (de “Família Rodante” e “Leonera”), com Carancho, Cristi Puiu (realizador romeno em ascensão, que dirigiu “A Morte do Sr. Lazarescu”), com Aurora, além do mais célebre de todos (aliás, de todo o Festival!), Jean-Luc Godard, que exibe seu Filme Socialismo, no dia 17, paralelamente em Cannes e na internet. Quem quiser ver o filme pela internet terá 48 horas para isso: de 17 a 19 de maio (data em que estreia nos cinemas franceses), ao preço de 7 euros, no site www.filmotv.fr. Espia só um dos seis trailers:

Veja os longas integrantes da Seleção Oficial, que concorrem à Palma de Ouro, cujo júri será presidido nesta edição por Tim Burton:

Another Year” – Mike Leigh (Reino Unido)

Biutiful” – Alejandro Gonzaléz Iñárritu (México)

Copie Conforme” – Abbas Kiarostami (Irã)

Des Hommes et dês Dieux” – Xavier Beauvois (França)

Fair Game” – Doug Liman (EUA)

Hors La Loi” – Rachid Bouchareb (França/Algéria)

La Nostra Vita” – Daniele Luchetti (Itália)

La Princesse de Montpensier” – Bertrand Tavernier (França)

Lung Boonmee Raluek Chat” (Oncle Boonmee Celui Qui se Souvient de Ses Vies Antérieures) – Apichatpong Weerasethakul (Tailândia)

Outrage” – Takeshi Kitano (Japão)

Poetry” – Lee Chang-dong (Coreia do Sul)

Rizhao Chongqing” – Wang Xiaoshuai (China)

Route Irish” – Ken Loach (Reino Unido) – selecionado de última hora!

Schastye Moe” (Mon Bonheur) – Sergei Loznitsa (Ucrânia)

Szelíd Teremtés – A Frankenstein Terv (Um Garçon Fragile – Le Projet Frankenstein) – Kornél Mundruczó (Hungria)

The Housemaid” – Im Sangsoo (Coreia do Sul)

Tournée” – Mathieu Amalric (França)

Un Homme que Crie” – Mahamat-Saleh Haroun (Chade)

Utomlyonnye Solntsem 2: Predstoyanie” (L’Exode – Soleil Trompreur 2) – Nikita Mikhalkov (Rússia)

Serão exibidos ainda no Festival de Cannes, em outros programas e mostras, os novos filmes de Olivier Assayas, Carlos, de Oliver Stone, Wall Street: Money Never Sleeps, de Woody Allen, You Will Meet a Tall Dark Stranger e o brasileiro 5 x Favela, Por Nos Mesmos, de vários autores.

O Le Champo acompanhará diariamente o Festival e comenta as novidades por aqui!

À bientôt!