Posts Tagged 'aborto'

Debate com Alina Marazzi, diretora de “Também Queremos as Rosas”

Após a exibição do filme “Também Queremos as Rosas” (Vogliamo Anche le Rose, Italia, Suiça,2007), a diretora Alina Marazzi conversou com a platéia.

Entre outras coisas, Marazzi disse que começou a trabalhar neste documentário há três anos e que, desde então, nunca poderia imaginar que temas pertinentes às décadas de 1960 e 1970 pudessem voltar com tanta força nos dias de hoje.

Segundo a cineasta, questões como as diferenças de gênero são praticamente desconhecidas pelas gerações mais novas da Itália.

Pensando nisso e com o intuito de percorrer histórias de uma geração e de uma época que ela não participou, a diretora foi buscar materiais autênticos, ou seja, fotografias, materiais de arquivo, filmes caseiros e até diários onde constam os depoimentos, pensamentos e indagações que são expostos em sua obra.

Alina Marazzi também falou sobre o alcance que seu filme teve na Itália. Para ela foi “incrível” o fato do filme ter sido exibido no circuito cinematográfico italiano, pois, tratando-se de documentário, isso geralmente não acontece. E que, graças ao apoio das redes de televisão estrangeiras, no caso da Suiça, da Finlândia e também das italianas Rai Cinema e grupo Fox, seu filme teve um bom resultado desde sua estréia, no dia 08 de março deste ano.

A cineasta Alina Marazzi
A cineasta Alina Marazzi

Crítica “Também Queremos as Rosas”, de Alina Marazzi .

Partindo de uma criativa colagem de noticiários, filmes caseiros, relatos de diários e materiais de arquivo, o longa “Também Queremos as Rosas” (Vogliamo Anche le Rose, Italia, Suiça,2007), de Alina Marazzi retrata as mudanças do comportamento feminino na Itália, nas décadas de 1960 e 1970.

Como se sugerisse uma linha do tempo, o documentário inicia com mulheres questionando a Constituição Italiana da época,  que entre outros pontos, falava da autoridade do marido sobre a mulher, colocava o adultério feminino (e somente feminino) como crime e dizia que o estupro constitui crime contra a moral e não contra a pessoa.

Abriu-se espaço para que mulheres começasssem a discutir e contestar seu papel limitadíssimo na sociedade. Elas negam idéias como casamento, família, filhos, tornar-se “donas-de-casa”. Agora elas querem se emancipar, ganhar as ruas, estudar, trabalhar.

Cenas da presença de mulheres em montadoras de veículos e em outros setores da economia são exibidas, sempre mostrando a dicotomia entre aquelas que querem se libertar das amarras do lar e aquelas outras que vêem no trabalho extra-lar uma sobrecarga de tarefas e responsabilidades.

O desejo de libertação extrapola os limites da vida profissional e encontra no campo afetivo-sexual seu maior expoente. Quem não se lembra da cena de mulheres dançando nuas no Festival de Woodstock?? Pois o filme vai além desta e mostra como as italianas  se impuseram frente à possibilidade do sexo antes do casamento, ao aborto e à contracepção. O embate ideológico com a Igreja, o enfrentamento social que este assunto clama, tudo isso é abordado.

Na da década de 1970, a questão do feminismo é uma questão social. Mulheres organizam-se em grupos, realizam passeatas em favor dos temas femininos, sofrem represálias, ou seja, cenas que povoam nossa cabeça quando falamos dos famosos Anos 70, mas que, segundo a diretora Alina Marazzi, são quase desconhecidas do público mais jovem de seu país.

Nesse ponto, novamente surgem as contradições da mulher que, a essa altura, não sabe mais se deve insistir no antigo modelo comportamental e seguir o marido ou se deve rebelar-se e viver ao seu modo. Fica claro que na Itália, assim como na maioria dos países, o feminismo cresce mas fica longe de atingir todas as mulheres.

Mais que um documentário, o filme é documento em si, retratando a mulher de maneira colorida, divertida, leve e nem um pouco fútil.

É filme pra se ver com a mãe, a filha, as amigas, o marido, enfim, pra ver e rever com todo mundo!

Cena de 'Também Queremos as Rosas', de Alina Marazzi

Cena de Também Queremos as Rosas, de Alina Marazzi

Debate com Carla Gallo, diretora de “O Aborto dos Outros”

Após a exibição do longa “O Aborto dos Outros” (Brasil, 2007), a diretora Carla Gallo se dispôs a debater sua obra, hoje à tarde, no Cinesesc,  em São Paulo.

Aqui, breves trechos dessa conversa com o público:

Quando questionada se as pessoas que foram mostradas no documentário viram ou irão ver o filme, Carla Gallo respondeu que elas (mulheres) sabem que o filme está sendo exibido no Festival, mas que, para evitar que se sintam expostas, haverá uma sessão particular para elas.

 Gallo foi questionada também sobre os motivos que a fizeram tocar em um assunto tão polêmico, como é o aborto, num país como o Brasil. Ela responde que duas foram suas principais motivações. A primeira foi o relato de sua mãe, que engravidara dela aos 23 anos, em princípio solteira, de família católica, enfim, numa série de dificuldades. Depois de realizar o exame de ultrassom, sua mãe busca o resultado e se surpreende ao receber junto deste um cartãozinho com um telefone de uma clínica de aborto. Desde então a questão da decisão da mulher sobre a maternidade ficou muito evidente para ela.  Além disso, quando ela mesma (Gallo) decidiu ser mãe, percebeu que a maternidade está envolta por uma série de questões, que vão além das condições econômicas, passando pelas condições psicológicas e emocionais.

 A platéia também perguntou à diretora como ela chegou às mulheres, cujas histórias foram relatadas no filme. Em resposta, Gallo explicou que no início ela tinha apenas um plano em mente e, ao conversar com sua assistente, ambas decidiram que jamais iriam tentar convencer qualquer mulher a falar sobre o assunto. A idéia era simplesmente apresentar suas idéias, sem convencimento. A diretora disse ter conversado com equipes médicas em hospitais e através destas, chegaram a elas. Daí então, elas conversavam e determinavam o limite sobre o ponto onde poderiam ir. Por isso, no filme, há mulher que mostra o rosto, mulher em que rosto é mostrado parcialmente, mulher que só aparece a voz, etc… Algumas, inclusive, chegaram a pedir que fossem utilizados filtros para disfarçar a voz, recurso esse que foi negado pela diretora.

Por fim, quando questionada se há previsão sobre a entrado do filme do circuito de cinema da cidade, Carla Gallo respondeu que já foi fechada uma parceria com um distribuidor, mas que por questões contratuais, ainda não é possível falar em datas. Mas ela espera que o filme chegue a todos, através das exibições nas salas de cinema, depois em dvd, e que ele possa alavancar discussões nas faculdades, entre os grupos interessados e etc.

Crítica “O Aborto dos Outros”, de Carla Gallo

Estamos na metade do 13º É Tudo Verdade 2008. E no meio do evento, com tanta coisa legal sendo exibida, me arrisco a dizer que um filme em especial vai ficar na memória.

Estou falando de “O Aborto dos Outros” (Brasil,2007), de Carla Gallo, que compete no Festival Internacional de Documentários na categoria Melhor Documentário Brasileiro. Tive a oportunidade de conferir a segunda exibição do filme em São Paulo – a primeira aconteceu ontem à noite, no CineSesc. A sessão foi seguida de um interessante debate da diretora com a platéia.

No entanto, falaremos do filme.

O documentário percorre as histórias de mulheres que se submeteram a abortos, legais ou não. Seus dramas, conflitos e medos são expostos de maneira delicada, mas não de forma superficial. O objetivo do filme, segundo Gallo, “foi colocar, no centro do debate, o sentimento feminino, a despeito do Estado e da Igreja”. Trata-se de “um filme sobre a mulher”.

Uma dessas mulheres é a jovem Maria, de apenas 13 anos, vítima de um estupro que a engravidou. É ela quem abre o filme. Sua mãe, católica, explica que sempre foi contrária ao aborto, mas emenda dizendo que, na realidade, só quem passa pela situação sabe o que é certo ou não e que Deus, por mais que condene tal ato, saberá entender a situação.

O processo de abortagem a qual Maria se submete é longo e doloroso. Enquanto aguarda os efeitos da medicação que expulsará o feto de seu ventre, Maria faz desenhos: desenha casas, árvores frondosas e no canto, uma garotinha. Nesse momento, lembramos que estamos vendo a história de uma menina que pedira à sua mãe uma Barbie no Dia das Crianças.

Em seguida, vemos a história de outra mulher. Esta é casada e revela que sempre desejou ser mãe. No entanto, seu bebê é anencéfalo, além de possuir má formação nos rins. A decisão do casal: a interrupção da gravidez no sexto mês. O choro contido revela não apenas a tristeza e a dor de um sonho interrompido, mas também o sentimento de culpa. Seu aborto é amparado pelas leis do Estado, mas não pelas leis de Deus.

Outras histórias se sucedem. O tom é sempre o mesmo. Em nenhum caso os abortos são cometidos desprovidos de dor ou culpa. Em todos os casos porém, o que vemos são mulheres, tendo que justificar para si mesmas e para a sociedade a sua opção de não levar a diante suas gestações indesejadas. Em alguns casos, suas palavras são postas à prova.

É o que mostra o caso da mulher que engravidou, também de uma violência sexual. Após procurar o centro de apoio a mulheres, seu caso foi levado a uma espécie de comissão médica. O único homem da sala questiona, “como que para ter certeza”, se não há a menor possibilidade de falsidade no depoimento da mulher.

Seu aborto é feito. Mas em que condições…

O filme é profundo e toca de maneira peculiar aqueles favoráveis à discriminalização do aborto. E veio num momento importantíssimo da nossa sociedade, que é quando o tema volta a ser discutido dentro da esfera do poder público.

Uma pena que ainda não tenha data definida para entrar no circuito.

Cena do filme “O Aborto dos Outros”