Arquivo para abril \29\UTC 2008

CCSP destaca Eric Rohmer

O Centro Cultural São Paulo, com parcerias do Consulado Geral da França em São Paulo e Cinemateca da Embaixada da França no Rio de Janeiro, organizou a mostra “Eric Rohmer – O Jogo da Sedução”, que começa hoje e vai até domingo, 4/5.

O evento traz uma seleção de filmes do diretor francês, um dos expoentes da Nouvelle Vague.

Embora a conhecida série de contos “As Quatro Estações” não esteja incluída, esta é a oportunidade para se ver, gratuitamente (embora em condições não tão confortáveis!), outros clássicos do diretor, como “O Joelho de Claire” (Le genou de Claire, França, 1970) e “A Carreira de Suzanne” (La carrière de Suzanne, França, 1963), entre outros.

É possível conferir também alguns documentários sobre o cineasta, como  “Eric Rohmer, provas de apoio aos 120′” (Preuves à L’Appui, França, 1994), de André S. Labarthe, que retrata a paixão de Rohmer pela cultura clássica e filosofia e “A fábrica do Conto de Verão” (La Fabrique du conte d’été, França, 2005), de Jean André Fieschi, assistente de direção que captou cenas de Eric Rohmer durante as filmagens do seu clássico “Conto de Verão”.

A programação completa da mostra está no site: http://www.centrocultural.sp.gov.br/programacao_cinema.asp

Os filmes serão exibidos em suporte DVD.

Ingressos gratuitos a serem retirados uma hora antes de cada sessão.

O Centro Cultural São Paulo fica na Rua Vergueiro, 1000, ao lado da estação Vergueiro de metrô.

 

Cena de “La boulangere de Monceau” (1962) , presente na seleção do CCSP

 

Crítica “Viva Zapatero!”

“Eu realmente gosto de Silvio!”. É justamente esta frase, recheada de ironia que começa o filme da comediante italiana Sabina Guzzanti.

Como sabemos, a idéia do documentário acerca do domínio do premiê italiano Silvio Berlusconi sobre os meios de comunicação do país advém da censura que Guzzanti sofreu quando teve o seu programa Raiot! suspenso da emissora pública Rai, em 2003.

Indignada com a intervenção do governo italiano e a perseguição de jornalistas, humoristas e produtores em seu país, Guzzanti sai a procura de respostas para o fim de seu programa, que teve ótima repercurssão em sua única exibição.

A artista busca a opinião de comediantes da Itália, da Inglaterra e da França – este último, onde é veiculado o  humorístico “Les Guignols de L’Info” – que promove a sátira de políticos através de bem feitas marionetes de Jacques Chirac, Tony Blair, George W. Bush e, lógico, Silvio Berlusconi. (Aliás, se tiver algum tempo e quiser dar boas risadas, digite “We Fuck the World” no search do YouTube e veja a versão da clássica “We are the World” feita pelos Guignols – é de chorar de rir!).

Guzzanti também busca justificativas para a censura do seu programa em frente ao Parlamento Italiano.

Ei, achou parecido com algum outro documentário não tão recente??? Sim, você não está enganado – a estratégia de Sabina Guzzanti é a mesma usada por Michael Moore e a cena, bem, ela lembra muito aquela de “Fahreinheit 11/09”, onde uma pessoa alvoroçada (o documentarista) interpela parlamentares com perguntas capciosas.

Independentemente da legitimidade do documentário, trata-se de um filme que merece ser visto, não pela sua qualidade, mas pelas questões que trata e que só de uma maneira muito enviesada chega até nós – o realmente ilimitável poder de Silvio Berlusconi.

Além disso, o frescor do tema aguça ainda mais a curiosidade do espectador.

Após ser recentemente eleito pela terceira vez na Itália, Silvio Berlusconi (cuja lista de processos na justiça é grande e consta de todo tipo de crime, inclusive o de corrupção) protagoniza a cena que pode justificar muito do que se vê no documentário.

Num encontro com o presidente russo, Vladimir Putin, Berlusconi sinaliza com as mãos uma arma imaginária apontada em direção a uma jornalista russa que teria feito perguntas de foro íntimo ao presidente russo. E emendou em tom de piada, dizendo ao amigo que se quisesse, poderia trocar os repórteres russos por italianos.

“Viva Zapatero!” estreou mundialmente no Festival de Veneza de 2005 e somente agora chega às nossas telas. É a ocasião perfeita para assisti-lo!

Confira o trailer:

Cinema na Virada Cultural

A próxima edição da Virada Cultural, evento anual da cidade de São Paulo, acontecerá das 18hs do próximo dia 26 às 18hs do dia 27, totalizando 24 horas ininterruptas de atividades culturais de todo o tipo.

E aqui como o que nos interessa é cinema, busquei os melhores programas cinéfilos do evento.

—–
FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS-METRAGENS

A Associação Cultural Kinoforum (responsável pelo Festival Internacional de Curtas-Metragens de SP) traz para a Virada uma seleção de curtas de todo o mundo, a serem exibidos num telão diante do Teatro Municipal, ao longo dos intervalos dos shows que acontecerão nos arredores da Praça Ramos.

Entre os temas abordados estão música e fotografia, intolerância, o universo infanto-juvenil, heróis das HQ’s e do cinema, além da animação brasileira sob a temática das lendas e mitologias do sertão brasileiro.

Sessões previstas para as 19h30 e 22h30 do dia 26/04 e as 01h30, 04h30, 07h30, 10h30, 13h30 e 16h30 do dia 27/04.

O evento é gratuito.

—–
VIRADA DAS VAMPIRAS

O cineasta Carlos Reinchenbach é o curador de uma mostra a ser exibida na Sala Olido (Av. São João, 473) que retrata o universo das vampiras. Fãs do gênero horror poderão ver filmes raros com legendas em português. Esta é a programação:

18h00 – Vampiras – Vampyres
20h00 – A Prometida de Drácula – La Fiancée de Dracula
22h00 – O Inferno de Drácula – Evil of Dracula
00h00 – Sangue de Virgens – Sangre de vírgenes
02h00 – A Boneca Vampira – The Vampire Doll
04h00 – A Vampira Nua – La Vampire Nue
06h00 – Alucarda – Alucarda, la hija de las tinieblas
08h00 – O Êxtase do Vampiro – Fluch der schwarzen Schwestern
10h00 – Lady Vampire – Onna kyuketsuki
12h00 – A Loucura do Vampiro – Le Frisson des Vampires
14h00 – A Orgia Noturna dos Vampiros – The Vampires’ Night Orgy
16h00 – Lábios de Sangue – Lèvres de Sang (Jean Rollin – 1975)

—–
24 HORAS DE FILMES DO MINUTO

O Festival do Minuto organizou uma sessão ininterrupta de 24 horas onde serão exibidas as melhores produções que figuraram em seus 17 anos.

O evento acontecerá na Praça do Patriarca.

Evento gratuito.

—–
MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA NA VIRADA

O Cine Olido (Galeria Olido, Largo do Paissandu) organizou uma pequena mostra com alguns sucessos da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Nada de muito novo, é verdade, mas é a oportunidade de se ver na telona belas obras como “Machuca” e “Mongolian Ping Pong”. Confira os títulos:

18h00 – O Violino (2006)
20h00 – Esperando al Mesias (2000)
22h00 – Histórias de Cozinha (2003)
00h00 – Neste Mundo (2002)
02h00 – Vício e Beleza (2000)
04h00 – Machuca (2004)
07h00 – A Jornada de James Para Jerusalém (2003)
10h00 – Um Filme Falado (2003)
13h00 – Mongolian Ping Pong (2005)
16h00 – Vitus (2006)

—–
24 HORAS DE MÚSICA NA CINEMATECA

A Cinemateca de São Paulo (Largo Senador Raul Cardoso, 207 – Vila Mariana) preparou uma maratona com 15 filmes que retratam o universo musical do Brasil e do mundo. Destaques para “Os reis do Iê-iê-iê” (sobre a beatlemania), “O lixo e a fúria” (sobre o punk inglês), “É Simonal” (de Domingos de Oliveira e estrelado pelo próprio cantor!) e o independente “L.A.P.A.”, pela primeira vez exibido em SP e que fala sobre o boêmio bairro carioca.

18h00 – Dingo
20h00 – É Simonal
22h00 – Only the strong survive
00h00 – Tommy
02h00 – O lixo e a fúria
04h00 – Rockers
06h00 – Um samurai em Copacabana
08h00 – Os reis do Iê-iê-iê
10h00 – Downtown 81
12h00 – A rima e a razão
13h30 – Sessão: 3 curtas sobre o hip hop
15h30 – L.A.P.A e Pretinho Babylon

Evento gratuito.

—–
PROGRAMAÇÃO CINESESC

O Cinesesc (Rua Augusta, 2075) organizou um evento para notívagos, bem aos moldes do Noitão do Belas-Artes. Serão três filmes e ao final um café-da-manhã.

É a oportunidade para se ver “Control”, de Anton Corbijin e histeria coletiva da última Mostra Internacional de SP. O filme está previsto para entrar no circuito em maio.

Outro destaque é “Rolling Stones, Sympathy For The Devil”, de Jean-Luc Godard. Quem viu recentemente “Shine a Light” do Scorcese poderá tirar suas conclusões.

Os escolhidos para a madrugada foram:

00h00 – Rolling Stones, Sympathy For The Devil
02h00 – Nossa Vida Não Cabe Num Opala
04h00 – Control

Preços: Por sessão: R$ 12; R$ 6; R$ 3
Pacote para os três filmes: R$ 30; R$ 15; R$ 7,50

—–
PROGRAMAÇÃO CENTRO CULTURAL SÃO PAULO

No já tradicional endereço cultural da cidade (Rua Vergueiro, 1000) serão exibidos diversos filmes entre a Sala Lima Barreto e a área Externa Flávio de Carvalho.

20h00 – “Morte em Veneza”, de Luchino Visconti (1971);
22h30 – “O Signo da Cidade”, de Carlos Alberto Riccelli (2007);
02h00 – “Central do Brasil”, de Walter Salles (1998);
04h00 – “Tapete Vermelho”. de Luiz Alberto Pereira (2006);
11h00 – Exibição de filmes sobre ficção-científica, segida de paletras;
16h00 – “O Criado”, de Joseph Losey (1963);
18h00 – “O Porteiro da Noite”, de Liliana Cavani (1974).

Evento gratuito.

—–
CENTRO CULTURAL DA JUVENTUDE

Haverá projeção de filmes no cemitério em frente ao Centro Cultural da Juventude (Avenida Deputado Emílio Carlos, 3.641 – Vila Nova Cachoeirinha), a partir da 0h00.

Evento gratuito.

Pré-estréia do novo filme de Woody Allen no Espaço Unibanco

Acontece hoje, a partir das 20h30, o segundo encontro Cadeira do Diretor Buchanan’s, onde o crítico Christian Petermann recebe o roteirista David França Mendes para discutir, com o público, a mais recente obra de Woody Allen, “O Sonho de Cassandra”.

Após o debate, às 22h, haverá a pré-estréia do filme.

O filme conta a história de dois irmãos que, em meio a problemas financeiros, decidem pedir ajuda a um tio rico, que em troca faz um pedido que mudará a vida de ambos.

O evento, parceria entre o Espaço Unibanco, Buchanan’s e a Folha de S.Paulo, acontece sempre na penúltima terça-feira do mês, no foyer do Espaço Unibanco de Cinema (Rua Augusta, 1475).

Ingressos: R$ 14 (inteira) e R$ 7 (estudante e assinante Folha).

 

Lucrecia Martel na Flip

Confirmada a presença da cineasta argentina Lucrecia Martel na Flip – Festa Literária Internacional de Parati, que este ano acontecerá entre os dias 2 e 6 de julho.

Apesar do evento ser focado na literatura e embora a cineasta não figure por este universo artístico, a proposta da Flip para a sua 6ª edição é justamente a ampliação da idéia de literatura.

Segundo a Folha On Line, para Flávio Moura, diretor de programação do evento, os roteiros escritos e filmados por Martel são muito bem trabalhados do ponto de vista narrativo e que estes podem suscitar o interesse para aqueles que lidam com ficção.

Lucrecia Martel nasceu na província de Salta, Argentina. Entre seus excelentes filmes destacam-se “O Pântano” (La Ciénaga, 2001), cujo roteiro fora premiado no Festival de Sundance e “A Menina Santa” (La Niña Santa, 2004) que conta a história de duas adolescentes, Amalia e Josefina, que frequentam um grupo de estudos católicos embora seus pensamentos voltarem sempre para o sexo.

“A Menina Santa” competiu no Festival de Cannes em 2004 e contou com a produção executiva dos irmãos Almodóvar. Para mim, o melhor de Martel.

A cineasta argentina Lucrecia Martel
A cineasta argentina Lucrecia Martel

E você, conhece o Bafici???

Bafici ou Festival Internacional de Cine Independiente de Buenos Aires é, como o próprio nome sugere, uma vitrine para o cinema independente (mas não somente), agregando títulos de diversos países e que este ano chega a sua 10ª edição.

Ou seja, é uma mostra de cinema bastante parecida com a nossa tradicional Mostra Internacional de Cinema, dadas algumas cruciais diferenças.

Uma dessas diferenças, (por sinal gritante!), é o preço dos ingressos. Se no Brasil paga-se até R$ 20 por uma inteira, lá os ingressos são vendidos ao valor de 6 pesos – pouco mais de R$ 3. A inteira!

Por isso é possível ver nas ruas da Recoleta, em frente ao Malba, ao longo da Av. Corrientes e onde mais estiverem sendo exibidos filmes da mostra, filas intermináveis compostas por todo tipo de público.

Outra diferença é a organização do evento, com atrasos ou cancelamento de sessões quase inexistentes. Ponto para os portenhos que podem programar-se sem serem vítimas da alfândega!

A nossa vantagem em cima deles é o fato de que boa  parte dos filmes a serem exibidos no Bafici ou já foram exibidos nas mostras daqui ou chegarão muito em breve. Ponto para nós, que ao menos neste quesito somos vanguarda!

Por outro lado, não é a produção internacional que faz do Bafici um dos eventos cinematográficos mais importantes do país. Sua notoriedade reside mesmo é na produção local – o Festival de Cine Independiente, desde a sua primeira edição, em 1999, traz o que há de mais expressivo e singular no cinema argentino.

E, pelo que eu fiquei sabendo, a produção argentina presente nesta edição deixa de lado as temáticas pautadas na crise econômica no início dos anos 2000 e  cede espaço para temas pertinentes à vida cotidiana e a realidade social do país.

O evento, que começou no último dia 8 e se estenderá até o dia 20 de abril traz, além dos 427 títulos, uma série de atividades paralelas. São mesas redondas, debates, aulas magnas e seminários com diretores, produtores e estúdios de diversas origens.

O diretor brasileiro Eduardo Coutinho é um dos exemplos . Além de seu filme “Jogo de Cena” ter aberto o festival, o cineasta ministrou uma “Master Class” no dia 10.

Dentre as atividades paralelas destaca-se também a recém-inaugurada “Cine al aire libre” – projeções ao ar livre (na Pasaje Carlos Gardel) dos filmes argentinos premiados nas edições anteriores do Festival.

Para Sergio Wolf, diretor do Bafici, a intenção agora é apostar na continuidade da linha artística do evento. Vale lembrar que após a turbulenta saída de Fernando Peña da direção do Bafici, muitos foram os rumores sobre o cancelamento da mostra.

Abertura do 10º Bafici
Abertura do 10º Bafici

 

O cineasta Eduardo Coutinho (ao microfone) na abertura do 10º Bafici
O cineasta Eduardo Coutinho (ao microfone) na abertura do 10º Bafici

 

Cine al aire libre
Cine al aire libre

IV Cinema Mostra AIDS começa hoje em SP

De hoje a 17/4 serão exibidos 27 titulos sob a temática Aids, no IV CINEMA MOSTRA AIDS, no Espaço Unibanco (Rua Augusta, 1475), em São Paulo.

Com ingressos a R$5, o objetivo do evento é contribuir, por meio da produção cinematográfica, o debate sobre a situação e os rumos da epidemia da AIDS.

Confira a programação:

*Dia 10/04 (quinta-feira)
20h – Exibição de filmes publicitários da I MOSTRA DE FILMES PUBLICITÁRIOS E AIDS (Debate).
21h – Debate
22h – Coquetel (distribuição de brindes da OLLA)
Na abertura será exibida uma coletânea de 71 filmes publicitários de 20 países, seguida de bate-papo com convidados. Dos dias 11 a 17 de abril serão exibidos 26 filmes longas e curtas metragem que tratam do HIV e da aids.

*Dia 11/04 (sexta-feira)
18h – O TOQUE DO TAMBOR
20h – JUNTOS PELA VIDA
22h – TRÊS IRMÃOS DE SANGUE

*Dia 12/04 (Sábado)
18h – PRINCESAS
20h – BABY,BABY
       – A VIAGEM
22h – TUDO CONTRA LÉO

*Dia 13/04 (Domingo)
18h – UNIDOS PELO SANGUE
20h20 – LUCKY
           – CICLOS DA VIDA – A HISTÓRIA DA AIDS NO MALAUI
22h – O EVENTO

*Dia 14/04 (segunda-feira)
18h – DEPOIS DAQUELE ENCONTRO
20h40 – SEM GARANTIA DE VALIDADE
22h – UMA SEMANA

*Dia 15/04 (terça-feira)
18h – OVO
       – CRÔNICA DE UMA CATÁSTROFE ANUNCIADA
20h – AFETADO — O PROJETO AIDS
       – EXPRESS YOURSELF
22h – CERTAS COISAS
       – SEXPRESS

*Dia 16/04 (quarta-feira)
18h – ALTO RISCO
       – SENSAÇÕES – A HISTÓRIA DA AIDS NA ARGENTINA
20h – JEANNE E O RAPAZ DOS SONHOS
22h – CINCO HERÓIS

*Dia 17/04 (quinta-feira)
18h – NÓS SOMOS PAPAIS
20h – TUDO CONTRA LÉO
22h – CIRANDA
       – UMA CASA NO FIM DO MUNDO

Cena dos filmes 'O Toque do Tambor' (África do Sul, 2003) e 'Jeanne e o Rapaz dos Sonhos' (França, 1998), presentes na mostra.
Cena dos filmes O Toque do Tambor (África do Sul, 2003) e Jeanne e o Rapaz dos Sonhos (França, 1998), presentes na mostra.