Posts Tagged 'diretor'

Lars von Trier visita o inferno em Cannes!

Exibido ontem no Festival de Cannes e cercado de expectativas, “Antichrist” (Dinamarca/Suécia/ França/ Itália), recente filme do diretor dinamarquês Lars von Trier, não foi muito bem recebido pela crítica presente do evento. Muito pelo contrário, o filme recebeu vaias nas duas exibições voltadas à imprensa, muito diferente do que aconteceu quando resolveu levar às telas de festivais do mundo todo sua obra-prima “Dogville” (2003), quando foi aplaudido de pé.

Na trama, um casal vive o drama de perder o filho pequeno em um acidente doméstico. O marido, que é psicanalista, resolve ajudar a mulher que está seriamente afetada com a perda da criança e propõe como parte do tratamento psicológico um retiro numa floresta com o sugestivo nome de Éden. A partir daí sucedem cenas e mais cenas de tortura, automutilação e sexo explícito. Sim, os atores Willem Dafoe e a belíssima Charlotte Gainsbourg protagonizam cenas de penetração explícita em meio a galhos retorcidos!!!

O trailler nos dá uma boa sugestão do que podemos ver nesse longa de terror psicológico:

Os argumentos contra “Antichrist” vão além das cenas produzidas para chocar. Entre as acusações está a de ser um filme “sexista”. Talvez por causa da personagem de Charlotte Gainsbourg,uma intelectual que busca constestar em tese a teoria de que a mulher é a antítese do mal, e de como a trama se desenrola a partir de então.

charlotte-gainsbourg-antichrist

Durante a coletiva de imprensa realizada ontem, os jornalistas não amenizaram o tom com Trier. Um deles, um norte-americano, chegou a cobrar satisfações do diretor, dizendo que ele deveria explicar e justificar por que fez o filme! As informações são da Ilustrada (Folha de S.Paulo) de hoje. Em resposta, o diretor confessou que não tinha muito a dizer e “devolveu a pedra”, concluindo que achava estranho ter que se justificar com a imprensa, uma vez que ali todos eles eram seus convidados.

Tensões a parte, Trier não deixou de fazer suas piadinhas e provocações já tradicionais, como quando soltou a pérola: “Sou o melhor diretor do mundo. Todos os outros são supervalorizados”. Para ele, o desconforto provocado pelo longa deve-se à temática – sexo e culpa.

Abaixo, o cineasta responsável por sempre produzir “acontecimentos” nos eventos que integra, posa para fotógrafos ao lado de Daffoe e Gainsbourg.

Lars-von-Trier

Com um clima oposto ao de “Antichrist” o diretor inglês Ken Loach arrancou boas risadas da crítica com a comédia “Looking for Eric“, sobre um carteiro que, vivendo uma profunda crise pessoal, confessa suas angústias ao ídolo, o jogador Eric Cantona, cuja presença em seu cotidiano se dá por um pôster na parede de seu quarto. Acontece que um dia o carteiro, que também chama-se Eric (Bishop, aqui interpretado pelo ator Stevens Evets) encontra o verdadeiro Eric Cantona e este lhe dá conselhos a respeito de sua vida.

looking_eric

O ex-jogador de futebol Eric Cantona que fez história no futebol europeu como ídolo da torcida do Manchester United, atuou no filme de Ken Loach. Aos jornalistas presentes em Cannes ele justificou a escolha pela nova profissão de ator, dizendo que como o futebol, o cinema também é um jogo. “A vida é um jogo”, concluiu. Aqui, Cantona e Loach durante a coletiva de imprensa:

cantona_loach_cannes

O Melhor Diretor do Oscar é ele: Danny Boyle!

Pois é, o diretor de Trainspotting leva a estatueta dourada em 2009 por “Quem Quer Ser um Milionário” , mais uma vez confirmando as expectativas desta premiação chatinha e extremamente previsível :Z

danny-boyle

quem-quer-ser-um-milionario2

Vive la France!!!

Quem gosta de cinema francês (como é meu caso!) vai enlouquecer com as duas mostras dedicadas a este “gênero”, em cartaz na cidade de SP.

De hoje (21/11) até o dia 27/11, o HSBC Belas Artes (Rua da Consolação, 2423) cede espaço à 7ª edição do Festival Varilux, que traz 7 títulos, alguns inéditos. A programação do evento destaca duas produções com o melhor-ator-francês-da-nova-geração, Louis Garrel, entre elas o novo filme de Christophe Honoré, “A Bela Junie”, e “Atrizes“, de Valeria Bruni Tedesch. 

Confira a programação do evento aqui.

Já a Cinemateca Brasileira (Largo Senador Raul Cardoso, 207, Vila Clementino), exibe, de 19 a 23 de novembro, a mostra “Pequenas Jóias do Cinema Francês, dedicada a raridades produzidas entre 1941 e 1961. A programação reúne obras de Christian-Jaque, Jean Delannoy e Roger Leenhardt, além de exibir, em versão original e sem legendas o raríssimo “Sombras na Areia“, de Jacques Bourdon e estrelado pela incrível Anna Karina.

O site da Cinemateca traz a programação completa do evento.

Mas, se ainda assim você não se sentir satisfeito com a invasão francófona, ainda será possível conferir o clássico “Jules e Jim”, de François Truffaut, no HSBC Belas Artes, às 19h30, na sessão Cineclube Conjunto da Obra, em homenagem a Jeanne Moureau. 

Depois de tudo isso, só cantando “Chacun pour soi est reparti, Dans l’tourbillon de la vie…”!

Olha só o Louis Garrel em “A Bela Junie”…

actrices… e em “Atrizes”, destaques no Festival Varilux.

les dernières vacancesE o pôster de “As Últimas Férias”, de Roger Leenhardt (1948),em exibição na Cinemateca Brasileira.

 

 

 

32ª Mostra – Crítica: Representantes Polacos – Varsóvia Sombria e Katyn

Um sábado dedicado a nova e velha Polônia.

Foram exibidas ontem as sessões de “Varsóvia Sombria”, de Christopher Doyle e de “Katyn”, de Andrzej Wajda (lê-se Vaida). 

“Varsóvia Sombria” mostra uma Polônia contemporânea, um país do leste europeu que não prosperou como outros do continente. Varsóvia, sua capital, é cinzenta durante o dia e a noite, bares e clubs servem de ponto de encontro a endinheirados e jovens prostitutas de todas as origens. Num desses clubs está Ojka, personagem central da trama de Doyle. Ela é testumunha do assassinato de um importante político e, mais do que isso, ela é a isca do seu assassinato. Envolvida numa trama cheia de idas e vindas, Ojka, ou Mathilda (seu verdadeiro nome) encontra-se presa entre seu passado e futuro, enquanto membros de uma estranha organização deixam revelar-se pouco a pouco.

Se o roteiro confunde e cansa, a bem trabalhada fotografia chama atenção, remetendo aos trabalhos anteriores de Doyle, como “2046” ou “Anjos Caídos”, de Wong Kar-Wai (Doyle é o diretor de fotografia de ambos). E mesmo não sendo polonês, o diretor australiano consegue, como último respiro, dar mostras do humor tipicamente polaco.

Dica Le Champo: não saia no meio dos créditos!

De Varsóvia para Cracóvia. Da atualidade para a década de 1940. Aqui a Polônia é palco central da Segunda Guerra Mundial, tendo seu território dividido entre os alemães e os soviéticos e milhares de poloneses mortos por ambos. No meio do confronto a floresta de Katyn é testemunha do massacre de oficiais poloneses à mando de Josef Stalin, fato que marcaria para sempre a vida das 4 famílias retratadas na obra de Andrzej Wajda.

Obra-prima, diga-se de passagem. O sentimento nacionalista que existe por trás da intenção de mostrar o episódio histórico de Katyn não torna o filme vulgar ou menos belo. Muito pelo contrário. Cenas de puro lirismo mesclam-se com imagens da época, levando o filme para muito além de uma simples narrativa. Destaque para as atuações de Maja Ostaszewska, que interpreta Anna, esposa de um dos oficiais e de Andrzej Chyra, na pele do Tenente Jerzy. Veja o trailer aqui.

Gênios nascem grandes. Wajda é um deles.

Dica Le Champo: leve lenços…

—-

Avaliação Le Champo – “Varsóvia Sombria”: regular.

Avaliação La Champo – “Katyn”: Excelente!

 

                                                             Cena de “Varsóvia Sombria”…

 … e o pôster de Katyn.

Reserva Cultural sedia evento dedicado ao cinema francês

Fruto da parceria entre as distribuidoras, a Unifrance e a Embaixada da França no Brasil, começa nesta quinta-feira, dia 19, a primeira edição do Panorama do Cinema Francês no Brasil.

Até dia 26, 8 longas-metragens premiados nos principais festivais do mundo e inéditos por aqui serão exibidos na presença de um diretor ou ator francês, participante da mostra. Entre os selecionados está o famigerado “O Escafandro e a Borboleta”, de Julian Schnabel e “Canções de Amor”, de Christophe Honoré.

Entre as “celebridades” que participarão do evento, Vicent Cassel, com o seu “Satã”, será o padrinho do festival e a atriz Clotilde Hesme (de “Amores Constantes”, lembra?) representando o filme de Honoré (ah, bem que poderia ser o Louis Garrel, né?)

A programação do Panorama está disponível no site http://panoramadocinemafrances.com.br/ ou no site do Reserva Cultural, http://www.reservacultural.com.br/

Amos Gitaï receberá prêmio no Festival de Locarno

O diretor israelense Amos Gitaï, 57, será premiado com o Leopardo de Honra do 61º Festival de Cinema de Locarno, na Suiça. Durante o evento, que acontecerá entre 6 e 16 de agosto, serão exibidos os filmes de Gitaï.

Entre os cineastas que já receberam a mais alta honraria do Festival de Locarno – prêmio atribuído à carreira de um autor – estão Jean Luc Godard, Bernardo Bertolucci, Wim Wenders, Manoel de Oliveira, Alexander Sokurov,Hou Hsiao-Hsien (em 2007), entre outros.

Segundo o diretor artístico do festival, Frederic Maire, “Amos Gitaï ocupa um lugar muito especial no cinema contemporâneo. Cada um dos seus filmes nos faz confrontar a infinita complexidade do real. Gitaï é,  sobretudo, um espírito livre e democrático, para quem o cinema é, em primeiro lugar, a expressão de um olhar crítico sobre o mundo”.

Indicado quatro vezes a Palma de Ouro, e autor de mais de 40 longas-metragens, entre documentários e obras de ficção, o cineasta é conhecido no Brasil por filmes como “Kadosh” (1999), “Alila” (2003) e “Free Zone” (2005). O filme “A Retirada”, acabou de estrear na França, enquanto que sua mais recente obra “One Day, You Will Understand” (Plus tard, tu comprendras, 2008), protagonizado por Jeanne Moreau, foi apresentado no início deste ano em Berlim.

O cineasta Amos Gitaï
O cineasta Amos Gitaï

Debate com Carla Gallo, diretora de “O Aborto dos Outros”

Após a exibição do longa “O Aborto dos Outros” (Brasil, 2007), a diretora Carla Gallo se dispôs a debater sua obra, hoje à tarde, no Cinesesc,  em São Paulo.

Aqui, breves trechos dessa conversa com o público:

Quando questionada se as pessoas que foram mostradas no documentário viram ou irão ver o filme, Carla Gallo respondeu que elas (mulheres) sabem que o filme está sendo exibido no Festival, mas que, para evitar que se sintam expostas, haverá uma sessão particular para elas.

 Gallo foi questionada também sobre os motivos que a fizeram tocar em um assunto tão polêmico, como é o aborto, num país como o Brasil. Ela responde que duas foram suas principais motivações. A primeira foi o relato de sua mãe, que engravidara dela aos 23 anos, em princípio solteira, de família católica, enfim, numa série de dificuldades. Depois de realizar o exame de ultrassom, sua mãe busca o resultado e se surpreende ao receber junto deste um cartãozinho com um telefone de uma clínica de aborto. Desde então a questão da decisão da mulher sobre a maternidade ficou muito evidente para ela.  Além disso, quando ela mesma (Gallo) decidiu ser mãe, percebeu que a maternidade está envolta por uma série de questões, que vão além das condições econômicas, passando pelas condições psicológicas e emocionais.

 A platéia também perguntou à diretora como ela chegou às mulheres, cujas histórias foram relatadas no filme. Em resposta, Gallo explicou que no início ela tinha apenas um plano em mente e, ao conversar com sua assistente, ambas decidiram que jamais iriam tentar convencer qualquer mulher a falar sobre o assunto. A idéia era simplesmente apresentar suas idéias, sem convencimento. A diretora disse ter conversado com equipes médicas em hospitais e através destas, chegaram a elas. Daí então, elas conversavam e determinavam o limite sobre o ponto onde poderiam ir. Por isso, no filme, há mulher que mostra o rosto, mulher em que rosto é mostrado parcialmente, mulher que só aparece a voz, etc… Algumas, inclusive, chegaram a pedir que fossem utilizados filtros para disfarçar a voz, recurso esse que foi negado pela diretora.

Por fim, quando questionada se há previsão sobre a entrado do filme do circuito de cinema da cidade, Carla Gallo respondeu que já foi fechada uma parceria com um distribuidor, mas que por questões contratuais, ainda não é possível falar em datas. Mas ela espera que o filme chegue a todos, através das exibições nas salas de cinema, depois em dvd, e que ele possa alavancar discussões nas faculdades, entre os grupos interessados e etc.