Posts Tagged 'Iraque'

33ª Mostra – Crítica: “Sussuros ao Vento”

Eis aqui um bom exemplar iraquiano, digno de nota!

Sussuros ao Vento” (Sirta La Gal Ba/ Whisper With the Wind), do cineasta Shahram Alidi, conta a história do velho Mam Baldar, um mensageiro que, de posse de seu rádio gravador e ao volante de sua caminhonete, percorre as montanhas do Curdistão iraquiano, levando e trazendo mensagens para os habitantes da região. Em suas viagens encontra apenas morte, destruição e desespero. São tempos marcados pelo regime de Sadam Hussein e as constantes investidas contra os curdos impede, muitas vezes, Mam Baldar de encontrar os destinatários das mensagens que porta.

whisper

Por outro lado e em meio a tanto sofrimento, Mam Baldar depara-se com tipos exóticos, personagens únicas daquela região eternamente em conflito, como por exemplo um rapaz que traz em seu rosto as inúmeras cicatrizes das batalhas enfrentadas. Ou ainda as mulheres que, feitas prisioneiras, gastam seus últimos anos de vida a empilhar pedras no deserto. A noite, o vento desmancha as pilhas construídas, obrigando-as a retomar o trabalho na manhã seguinte.

Entre suas muitas encomendas, uma é especial. Um comandante guerrilheiro pede ao “Tio Alado” que grave o primeiro choro de seu filho. Mas, ao chegar ao vilarejo indicado pelo homem, Baldar descobre que todas as crianças e mulheres da região foram expulsos para um vale distante. A viagem de Mam Baldar será longa e no caminho ele terá duas certezas: a primeira, que o fim dos conflitos está longe do fim; a segunda, que apesar de tanto sofrimento e dor, a resistência curda se mantêm firme, através da guerrilha e rádio Peshawar (clandestina) e da esperança que renasce em meio às dificuldades.

sussuros_ao_vento

Em seu filme, Alidi recorre às fórmulas típicas de filmes do Oriente-médio, como o frenético apelo à fotografia, onde natureza e poesia se misturam quase que instantaneamente, além de sequências quase que intermináveis e silenciosas. Somados  à atuação de habitantes locais, não profissionais (não-atores) e a existência de tipos exóticos (como o homem preso por consertar rádios), clichês tão comuns e um pouco enjoativos, a metodologia usada pelo cineasta não chega a apagar o brilho da obra. A beleza e a destruição alternam-se, dando um certo movimento e muita graça ao filme.

Vale a pena ver “Sussuros ao Vento”, já que este foi um dos filmes participantes da última Semana da Critica em Cannes.

Resenha de “Operação Cineasta” – 13º É Tudo Verdade

Na última sexta-feira resolvi ir dar uma espiada no longa “Operação Cineasta” (Operation Filmaker, EUA, 2007), de Nina Davenport.

Não que estivesse assim tão empolgada, como acontece sempre que vejo uma produção norte-americana a respeito dos seus (muitos) desafetos. E de fato não foi algo que tenha me surpreendido, apesar de se tratar de um filme bem feito.

O documentário conta o envolvimento de um jovem estudante de cinema, iraquiano, com a produção do filme “Uma Vida Iluminada” (aquele em que Elijah Wood é um jovem judeu americano e aparece com óculos bobocas!), a convite do diretor Liev Schreiber.

Tudo começa quando Schreiber vê uma matéria produzida pela MTV em que aparece Muthama Mohmed. Na cena, Mohmed mostra os destroços de sua escola e, tendo a catastrófica Bagdad como pano de fundo, fala dos seus sonhos como cineasta e dos lábios de Angelina Jolie.

Abre-se caminho para uma experiência que podemos chamar, no mínimo, de fracassada. Schreiber (como todo “bom” norte-americano), emocionado com a história, manda buscar Mohmed de Bagdad a Praga, onde são rodadas as cenas do tal filme.

O rapaz, por outro lado, emocionado com a oportunidade única e com a beleza dos campos de girassóis da República Tcheca, dá mostras de um temperamento, ora voluntarioso e mimado, ora carismático e consciente dos problemas de seu povo.

Dá-se início a uma série de conflitos entre todos os envolvidos no projeto, incluindo-se a própria diretora do documentário. Davenport foi chamada para registrar a mencionada parceria, mas ao fim das filmagens e do trabalho de Muthama no filme de Liev, acaba sendo engolida pelo grandioso sentimento de culpa que permeia toda a sua obra.

E o documentário segue, mostrando opiniões de várias pessoas sobre o “comportamento ingrato” de Muthama e as inúmeras tentativas, “cheias de amor e paciência” de todos aqueles que cercam o iraquiano.

Imagens dos amigos e da família de Muthama são costuradas ao enredo, sempre mostrando a destruição e os horrores testemunhados por aqueles que vivem num país (obviamente pobre) em guerra. Há inclusive o relato de um amigo de Muthama que, proibido de sair de casa por conta dos bombardeios, clama seu ódio às religiões, principalmente ao Islã e ao país.

Enfim, como disse, todo o filme é uma culpa só e uma cobrança só. Primeiro, o rapaz iraquiano culpa-se da oportunidade mal-administrada por ele e cobra daqueles que o cercam novas chances e inesgotável ajuda; Depois, culpam-se, diretor e produtor americanos das mazelas causadas pelo governo de seu país ao pobre rapaz. E cobram de Mohmed uma postura que não lhe cabe (enquanto jovem de classe média acostumado a ver satisfeitas suas necessidades básicas). Compartilha dessa mesma culpa Davenport, que o acompanha, lhe dá colo, dinheiro e se submete a seu humor intempestivo.

É como se um inseto da boa-vontade e da benevolência mordesse todo aquele que convivesse com a triste história do “menino-iraquiano-vítima-da-guerra” e os obrigasse a algo.

Muita responsabilidade e pouco resultado prático na tela e um sentimentozinho de clichê para o espectador.

A cineasta norte-americana Nina Davenport e o iraquiano Muthama Mohmed
A cineasta norte-americana Nina Davenport e o iraquiano Muthama Mohmed