32ª Mostra – Crítica: “O Estranho em Mim”

Sessão de gala a de “O Estranho em Mim”, hoje a tarde no Espaço Unibanco 3. Alguns integrantes do Júri estavam presentes, como é o caso da cineasta iraniana Samira Makhmalbaf e de Jorge Bodansky, além da própria diretora do longa, Emily Atef, que apresentou sua obra e falou ao público presente.

Seu filme é um retrato íntimo sobre a depressão pós-parto. O casal Rebecca e Julian esperam seu primeiro e desejado filho. Após o parto, uma sensação de dor e desespero invade Rebecca. As obrigações de mãe e as cobranças do marido só pioram as coisas.

Rebecca busca ajuda, faz tratamentos e conta com a benevolência e a compreensão de uma sociedade despreparada e ignorante desta doença, tão frequente e tão pouco comentada. Só pela complexidade do tema, já vale o filme, mas ainda é preciso elogiar o trabalho desenvolvido pelo ator Johann von Buelow, que interpreta o pai da criança.

Avaliação Le Champo: Bom!

                          Cena de “O Estranho em Mim”, de Emily Atef.

Anúncios

0 Responses to “32ª Mostra – Crítica: “O Estranho em Mim””



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: