32ª Mostra – Crítica: “A Fronteira da Alvorada”

Confesso que ainda não consegui encontrar um adjetivo capaz de sintetizar este filme. Digo apenas que desde já, há dois dias do fim desta edição da Mostra, aposto nele minhas fichas de o melhor filme do evento. É claro que ainda me faltam ver bons filmes, como o do Amos Gitai, sem contar na histeria coletiva acerca de Che. Mas duvido que algum desses supere “A Fronteira da Alvorada” é capaz. No máximo empata!

Digo isso por “n” razões. A primeira é que este é um longa dirigido por Philippe Garrel, um dos maiores diretores da atualidade. Depois, o ator, seu filho, Louis Garrel, também pode ser considerado um dos melhores atores francesesda nova geração. A fotografia – tanto comentada – é assinada por William Lubtchansky, que desenvolveu um belo trabalho em P&B, dando ao filme a cara de clássico. E para arrematar, o roteiro maravilhoso, contando uma história de encontros e desencontros tão bem escrita que faz jus aos filmes da Nouvelle Vague.

Depois de tantos elogios, não há nada a ser dito. Veja… e curta sua felicidade burguesa, mas com estilo, por favor!

Avaliação Le Champo: Excelente!

Anúncios

0 Responses to “32ª Mostra – Crítica: “A Fronteira da Alvorada””



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: